A interrupção da Premier League custou ao Manchester United 31,3 milhões de euros

Fonte: Visionhaus

O terceiro trimestre da época mostrou-se negro para o clube de Old Trafford. A interrupção do campeonato inglês, causada pela Covid-19, força agora o clube a devolver aos operadores televisivos as receitas por eles antecipadas.

O clube terá de devolver 22,3 milhões de euros de direitos de transmissão dos jogos não realizados, explicou, esta quinta-feira, Cliff Baty, diretor financeiro do Manchester United. Embora 11 jogos tenham sido vítimas da interrupção, e colocados em stand-by, há ainda a esperança de que se venham a realizar mais tarde. Contudo, explica o Público, “o simples adiamento das partidas obriga o emblema de Manchester a ressarcir os operadores”.

Além disso, e uma vez que a loja oficial do United se mantém, até à data, encerrada, Baty “assumiu que as receitas de patrocínio se contraíram e que as vendas de produtos de merchandising seguiram o mesmo caminho”, adianta o Público. Os lucros de bilheteira em falta, bem como a compensação que terá de ser dada aos sócios com bilhete de época, completam os 31,3 milhões de prejuízo.

Para já, os dirigentes do clube abstêm-se de comentar eventuais perdas futuras. No entanto, o vice-presidente Ed Woodward não esconde que, na sua opinião, o último trimestre tem tudo para ser ainda mais devastador em termos financeiros. “As nossas contas do terceiro trimestre reflectem um impacto parcial da pandemia, mas o maior impacto vai acontecer no trimestre em curso e provavelmente mais à frente”.