Aulas presenciais do 11º e 12º previstas para 18 de maio

Fonte: António Pedro Santos/ Lusa

As aulas presenciais do 11º e 12º ano estão previstas a retomar já no próximo dia 18 de maio, com as creches a regressarem ao funcionamento normal a partir do primeiro dia de junho, avança o Público. Estas datas fazem parte de um plano projetado pelo governo para o regresso à normalidade de forma faseada e estritamente monitorizada.

Este processo aplicar-se-á não só na economia, estando a abertura do pequeno comércio de bairro prevista para 4 de maio, como também na sociedade, em setores como a Educação. O Ministério da Educação, sem confirmar nenhuma data, afirma que qualquer decisão será anunciada na quinta-feira, dia 30, quando se realizar o próximo Conselho de Ministros.

Também o primeiro-minsitro, António Costa, referiu na passada sexta-feira que nesse dia ficarão definidas as regras de confinamento para os setores de atividade no pós-estado de emergência, e serão reavaliadas de 15 em 15 dias. Quer isto dizer que os setores vão abrir gradualmente a 4 de maio, 18 de maio e 1 de junho.

Esta estratégia será posta em marcha apenas se houver permissão por parte dos dados e análises da Direção-Geral de Saúde (DGS). Estes serão apresentados na terça-feira, 28 de abril, na reunião no Infarmed.

O Governo estipula que hajam medidas e orientações de contenção para pessoas de maior idade e grupos de risco nesta fase de abertura gradual e monitorizada, onde a circulação de pessoas e interações socias vão, naturalmente, aumentar. Diz o Governo que o momento decisivo deste processo está no recomeço das aulas presenciais do 11º e 12º anos. Estas serão apenas retomadas para as 22 disciplinas destes anos cujo exame conta para a média de entrada na universidade e politécnico e está estipulado um plano de contingência nas escolas, com regras de distanciamento social e utilização de materiais de proteção.  

No entanto, segundo informa o Observador, existem ainda três prontos a cumprir sem os quais o plano global de reabertura não avança, incluindo o setor da Educação: a evolução do plano que tem vindo a ser montado e que conhecerá os seus contornos definitivos esta semana; o controlo na situação problemática dos lares; e a existência de material suficiente de proteção, acessível em locais onde hoje não existem. Estes objetivos surgem para manter controlada uma situação de provável aumento do número de infetados no período de reabertura, tendo também um fator de confiança da população.