Bom Gosto: cinco filmes para o espírito de isolamento

Os assentos das salas de cinema por todo o país terão de suportar a solidão até que a pandemia nacional, causada pela COVID-19, esteja controlada e resolvida. Por enquanto, os cidadãos portugueses que assim o podem estão confinados em casa para o bem da saúde pública. Os ecrãs tornam-se as telas disponíveis para que, quando as paredes se tornarem demasiado repetitivas para o olhar, possamos imergir num outro mundo – o do cinema. Assim, esta edição do Bom Gosto aproveita o estado nacional para recomendar cinco filmes que compartilhem o mesmo sentimento de isolamento.

The Shining
(1980)

Sendo talvez a película mais conhecida do lendário Stanley Kubrick, “The Shining” explora o isolamento de uma família num hotel no Colorado durante o inverno. Denominado na altura de “obra-prima do terror moderno”, o filme de Kubrick é baseado no romance de Stephen King de 1977 com o mesmo nome. O pai da família, Jack Torrance (Jack Nicholson), aceita uma posição para cuidar do hotel e aproveita a tarefa para trabalhar também na sua grande aspiração, a escrita. Com ele, estão a sua mulher, Wendy (Shelley Duvall), e filho, Danny (Danny Lloyd), que convivem com uma presença sombria do hotel e com a decrescente sanidade de Jack.

Room
(2015)

O filme realizado por Lenny Abrahamson demonstra-nos o poder dea relação entre mãe e filho, mesmo enfrentando os maiores obstáculos. Ma (Brie Larson) é feita refém há sete anos, presa num quarto de espaço reduzido. Este quarto é o mundo aos olhos do seu filho de cinco anos, Jack (Jacob Trembley), que nasceu e cresceu preso neste espaço. Para Ma, a sua missão consiste em garantir que a vida de Jack seja completa e realizada, mesmo estando confinados àquele pequeno quarto.

Kynodontas
(2009)

Num cenário semelhante ao nosso, “Kynodontas” retrata a vivência de uma família cujo quotidiano não ultrapassa os limites, literalmente definidos por altos muros de arbustos, da sua própria casa. É nesse mesmo dia a dia, no entanto, que a história se afasta da realidade nacional, não fosse Yorgos Lanthimos, realizador do filme, conhecido pelas suas narrativas e imagens originalmente perturbadoras. O pai e a mãe da família são os arquitetos desta quase experiência social, que consiste na restrição da realidade dos seus três filhos aos limites da residência.

The Truman Show
(1998)

Esta obra, realizada por Peter Weir, pode não se aproximar inicialmente ao tema do isolamento. Truman Burbank (Jim Carrey) vive uma vida vulgar nos subúrbios estadunidenses com a sua mulher Meryl (Laura Linney), e cumprimenta os vizinhos enquanto sai para o trabalho como vendedor de seguros. Uma rotina aparentemente normal, não fosse ela, bem como tudo o que Truman conhece, encenada e gravada para um reality-show que, há trinta anos, transmite a vida da personagem principal, sem o conhecimento do próprio.

The Shawshank Redemption
(1994)

Andy Dufresne (Tim Robbins), um antigo banqueiro de sucesso, acaba condenado por um crime que não cometeu e tem agora de se adaptar às vivências da prisão de Shawshank. A obra realizada por Frank Darabont conta a história da maneira única como este homem lida com a sua sentença e as suas aspirações pela liberdade, acompanhado pelo sábio e amigo preso de longa-data, Red (Morgan Freeman).