Descoberto anticorpo para o coronavírus em Israel

Fonte: POOL/ AFP

Um anticorpo que “ataca e neutraliza” o coronavírus foi desenvolvido no Instituto de Israel para a Investigação Biotecnológica, do Ministério de Defesa. O feito foi anunciado pelo instituto esta terça-feira em comunicado, que informa estar a preparar uma patente, com o objetivo de contactar as farmacêuticas e iniciar uma produção para comércio.

O ministro da Defesa de Israel, Naftali Benet, fez uma visita ao laboratório do instituto, localizado em Nezz Ziona, onde tomou conhecimento da investigação. “O anticorpo ataca o vírus de forma monoclonal”, esclarece no comunicado, não poupando também nos elogios. “Estou orgulhoso do pessoal do Instituto de Biotecnologia por este grande avanço. A criatividade e o pensamento judaico atingiram este grande resultado”, expressa o ministro, sublinhando que se trata de “uma grande conquista”.

No setor da defesa e da segurança israelitas, altos cargos comunicaram à estação estatal Kan que se trata da primeira descoberta deste tipo a nível mundial. No entanto, já na segunda-feira foi anunciado por vários cientistas dos Países Baixos e da Alemanha a identificação de um anticorpo monoclonal humano que conseguiu impedir o coronavírus de infetar culturas de células em laboratório.

Segundo documentação de 30 abril da Organização Mundial de Saúde, existem atualmente 102 candidatas a uma vacina para o SARS-CoV-2, o vírus que provoca a COVID-19 . Encontram-se em processo de investigação por empresas de biotecnologia, farmacêuticas e universidades, onde apenas 8 estão em fase de ensaios clínicos, ou seja, estão a ser testadas em humanos.

Em março, especialistas avisaram que o processo após o desenvolvimento de uma vacina em laboratório pode demorar pelo menos 18 meses.