“Haja Sempre” é o single de estreia de Rita Onofre

Fonte: Vera Marmelo

A situação nacional causada pelo novo coronavírus exige aos confinados que se adaptem. Do tempo livre imposto em casa, Rita Onofre arranjou um pretexto para lançar o seu primeiro single enquanto artista a solo, “Haja Sempre”. Ao POLIS foi oferecida a varanda da casa da artista e de lá saiu uma conversa sobre música.

Já de noite, depois do jantar, Rita não parece desgastada do confinamento, mas sim entusiasmada para o que está para vir. Assim o acusa o brilho nos olhos, enquanto conta como este projeto “foi uma forma de sobreviver”.

Esse tempo serviu para fazer uma música que, aos olhos da autora, “é um mote de vida” sobre como encarar as adversidades que nos surgem. Algo que a própria admite ainda estar a aprender e, por isso, não se erra em repetir a mensagem. “Eu às vezes volto às minhas músicas e parece que estou a ouvir uma amiga a dar-me conselhos”.

As mensagens presentes na suas músicas são algo precioso para Rita Onofre, não fosse ela também responsável por compor as próprias letras, para além de lhes dar voz. Desde a primária que escreve poemas, apesar de hoje em dia ter menos momentos em que “precisa de uma caneta”. Mas com cada música há um esforço de reaver esses momentos e, nesta em especial, de ultrapassar certas barreiras.

Nesse mesmo quarto, o seu “canto”, para além de escrever a letra, também faz “o esqueleto da música”, tratando das próprias harmonias e arranjos com a voz ou guitarra. Com 24 anos, fez o secundário na Escola Profissional de Imagem, onde tirou Produção e Tecnologias da Música, e um curso de Jazz no Hot Club depois disso. No entanto, é nesse mesmo quarto que se “desliga” do muito que estudou e vê o que surge.

Contudo, Rita acredita que “nada que corra bem está só ligado a uma pessoa”. É nesse tom de agradecimento que recorda a influência que a produção de Choro (Miguel Laureano) e a mistura e masterização de Vítor Teixeira tiveram no seu single.

Foi em Sease, banda criada em tempos de EPI, que a relação musical entre Rita Onofre e Miguel Laureano se foi construindo. Depois de dois EP’s e um álbum, Rita aventura-se agora num caminho a solo que é para si uma condição de “vulnerabilidade”.

Apesar de se tratar do seu primeiro single oficial, a artista já tem consciência das dificuldades presentes numa carreira no mundo da música em solo português. “É super assustador tu veres que estatisticamente não vais conseguir”, confessa.

A pergunta que surge é, então, “porquê arriscar?”. A resposta é simples e o brilho nos olhos é maior.

A partir desta sexta-feira, 15 de maio, “Haja Sempre” está disponível em todas as plataformas, tendo já passado no programa “Portugália”, da Antena 3. Rita Onofre recusa-se a revelar datas, mas anuncia que estão para vir mais três faixas que completarão o seu EP.