Já foram anunciados os 6 finalistas do Internacional Booker Prize 2020

Fonte: Observador

Os seis finalistas nomeados para o International Booker Prize de 2020, já foram anunciados. Na lista constam seis livros, desta vez de forma digital, composta por diferentes línguas e nacionalidades dos quatro cantos do mundo. 

O escritor e literário Ted Hodgkinson anunciou, na passada quinta feira, os restantes jurados que falaram das diferentes obras nomeadas. “Tempos estranhos para fazer um anúncio, com tanta incerteza sobre o futuro” e “as nossas vidas mudaram em tantos aspectos”, foram algumas das palavras de Hodgkinson para descrever a atualidade. Lucie Campos, Jeet Thayil, Valeria Luiselli e Jennifer Croft fazem parte do quadro de júris.

Três das obras escolhidas inspiram-se em acontecimentos históricos dos seus países de origem, e nas outras três o tópico trauma, e como este influencia o mundo, é o elo em comum. Os livros escolhidos são “soberbos”, afirma Hodgkinson, referindo ainda que ultrapassam este momento “mergulhando-nos no desconforto e exaltando encontros com seres num estado de transição”.

A necessidade humana de compreender o mundo através da narrativa, é um dos temas que todos os seis livros apontam, seja a partir do trauma e do luto, de partilha de histórias pessoais ou de compreender o passado presente na história. 

No ano passado, o vencedor foi Celestial Bodies, de Jokha Alharthi, tendo-se tornado a primeira escritora originária do Sultanato de Omã a vencer o prémio. Este ano o prémio é de 50 mil libras que será atribuído à melhor obra. Mil libras também serão dadas aos nomeados da shortlist, sendo divididas entre o autor e tradutor. 

O grande vencedor da edição deste ano do prémio de ficção traduzida para o inglês será anunciado a 28 de julho.

A shortlist deste ano é a seguinte:

  1. The Enlightenment of The Greengage Tree, de Shokoofeh Azar (Irão). Tradutor anónimo (Europa Editions);
  1. The Adventures of China Iron, de Gabriela Cabezón Cámara (Argentina). Traduzido por Iona Macintyre e Fiona Mackintosh (Charco Press);
  1. Tyll, de Daniel Kehlmann (Alemanha). Traduzido por Ross Benjamin (Quercus);
  1. Hurricane Season, de Fernanda Melchor (México). Traduzido por Sophie Hughes (Fitzcarraldo Editions);
  1. The Memory Police, de Yoko Ogawa (Japão). Traduzido por Stephen Snyder (Harvill Secker);
  1. The Discomfort of Evening, de Marieke Lucas Rijneveld (Países Baixos). Traduzido por Michele Hutchison (Faber & Faber).