Vizela e Arouca vão subir à II Liga: decisão contestada em tribunal

Fonte: Rogério Ferreira/ Kapta+

O Vizela, da Série A, e o Arouca, da B, são os clubes que vão subir à II Liga de futebol português, pois foram aqueles que contabilizaram mais pontos antes da suspensão do Campeonato de Portugal. Assim anunciou a Federação Portuguesa de Futebol (FPF), este sábado, uma decisão que levou sérias críticas por parte do Praiense, líder da Série C da competição.

A FPF alega, em comunicado, ser impossível a utilização de um play-off, como é habitual, para determinar quais os dois clubes a ter acesso à II Liga. Assim sendo, informa que “a direção da FPF reconhece o mérito desportivo e indicará, de entre os líderes das séries à data em que a prova foi dada por concluída, os dois clubes com maior número de pontos”. No momento em que a competição foi suspensa, o Futebol Clube de Vizela, Futebol SAD liderava a Série A com 60 pontos e o Futebol Clube de Arouca, Futebol SDUQ LDA encontrava-se no primeiro lugar da Série B com 58 pontos. Atrás em pontos ficaram o Olhanense, líder da Série D com 57, e o Praiense, que era o primeiro da Série C com 53.

Foi este último já tornou público a sua contestação perante a decisão da FPF, pretendendo levar o assunto aos tribunais. O presidente do Praiense, Marco Monteiro, foi claro: “é óbvio que vamos recorrer [judicialmente]. Não há nenhum regulamento da federação que diga uma situação dessas. Portanto, se não há nenhum, quem é que é mais primeiro do que alguém”. Continua a sua crítica ao argumentar que o clube açoriano “pode alegar que é o [clube] que está mais distanciado do segundo classificado”.

Para Marco Monteiro, a solução está em subirem os líderes das quatro séries do Campeonato de Portugal. “Subiam os quatro primeiros e depois, para o ano, se tivessem de descer quatros equipas ou cinco, desciam”, defende.

O organismo que superintende o futebol luso recorda que, no dia 24 de abril, “a UEFA indicou às federações que deveriam ter em conta o mérito desportivo sempre que não fosse possível terminar em campo uma competição”. Seis dias depois, o Conselho de Ministros “decidiu que só autorizará a realização de jogos de Liga NOS e a final da Taça de Portugal”, lembra a FPF. Menciona ainda que foi assinado com a Liga, no dia 1 de julho de 2016, “um contrato que estabelece (…) que ascendem à II Liga dois clubes do Campeonato de Portugal, em função do mérito desportivo”.

O Campeonato de Portugal dividia-se em duas fases. A primeira consiste numa competição entre 72 clubes, divididos em quatro séries de 18 equipas cada. Os dois primeiros colocados de cada série disputam, depois, um play-off para apurar os dois a ascender à II Liga – opção que, por agora, foi descartada pela FPF.